Diversidade e Solidão – Gênero e Diversidade na escola

 

Para algumas pessoas “o outro, o diferente, não existe, tal é a fé racional, a crença incurável da razão humana. Identidade, nesse caso, confunde-se com realidade, como se, no final das contas, tudo tenha de ser absoluto e necessariamente um só e o mesmo. Porém, o outro jamais se deixará eliminar, felizmente, porque subsiste, persiste, é um osso tão duro de roer, que deixa os dentes fincados na razão. É preciso entender com fé poética que o outro, o diferente, a essencial heterogeneidade do ser é inevitável, uma vez que a alteridade sempre padecerá do uno e o uno sempre padecerá de alteridade, assim como eu e o outro nos completamos.” (ADPT. De Octávio Paz).

 

Texto – Prof.ª Maria Deusdedite Giaretta Chaves